Atividades culturais gratuitas no foyer do cinema do CCBB no fim de semana

O IX Festival Internacional Cinema e Transcendência está no CCBB após oito edições no CCBB Brasília e duas on-line. Além dos filmes, diversas atividades culturais como aulas de yoga, de frevo, contação de estórias, apresentações musicais  acontecem no foyer do cinema, com entrada franca, nos fins de semanas.

Vitória Rodrigues

 

Neste sábado (11), às 16h, acontece a apresentação do espetáculo Tanto Canto Quanto Conto, com Vitória Rodrigues, que canta cantigas autorais e de outros compositores. Cada canção é costurada por poemas e cada canto costurado pela arte popular.

 

 

 

 

 

Tatiana Henrique

Já no domingo (12), são duas atrações: a contação de histórias Contos de Ori, às 14h, com Tatiana Henrique, que traz narrativas iorubano-brasileiras, repletas de deidades que amam, trabalham, dançam e riem, como nós, seres humanos, entremeadas pelo uso de materiais como terra, argila, água e feijão. Às 16h é a vez de Vivência: Prática do Frevo, com Sémada Rodrigues, uma atividade lúdica e dançante que possibilita vivenciar movimentações do frevo a partir de estímulos corporais, levando em consideração a força, explosão, queda, recuperação, ginga, equilíbrio, desequilíbrio e a relação entre peso e espaço.

 

O IX Festival Internacional Cinema e Transcendência acontece até 19 de março de 2023 e é o único festival de cinema no Brasil a investigar a subjetividade dos caminhos da consciência e do autodesenvolvimento através da arte cinematográfica. Ele apresenta documentários que se destacaram nas últimas edições e a Mostra Brasil Profundo, uma seleção de produções nacionais que trazem um Brasil desconhecido por muitos de nós – o sertão mitológico, poético, indígena, africano, encoberto por lendas, festejos e cordéis. A idealização e curadoria do Festival são do músico e cineasta André Luiz Oliveira, com cocuradoria da produtora e diretora Carina Bini.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

11 de março – sábado

15h – Nhô Caboclo e o Elo Perdido, de Hermano Penna. Brasil, 2002. Documentário. 55 min. Livre.

Por meio da obra do artista plástico Nhô Caboclo, o documentário investiga o encontro entre negros e indígenas. Para isso, ele embarca em uma viagem pelas diferentes manifestações culturais nascidas nas matas, nas aldeias e quilombos, longe dos olhos dos brancos, intercalando os depoimentos de historiadores, pajés, pais de santo, pessoas que conviveram com o artista Manuel Fontoura, antropólogos como Joel Rufino dos Santos, Lélia Coelho Frota, Olympio Serra, Renato Athias, Ordep Serra e Muniz Sodré.

16h – Atividade cultural (no foyer): Tanto Canto Quanto Conto, com Vitória Rodrigues, que canta cantigas autorais e de outros compositores. Cada canção é costurada por poesias e cada canto costurado pela arte popular. Grátis.

17h30 – O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, de Glauber Rocha. Brasil, 1969. Ficção. 95 min. 14 anos.

Antônio das Mortes é um antigo matador de cangaceiros que é contratado por um coronel para matar um beato agitador. Ele confronta sua vítima, mas decide poupar sua vida. Mais tarde, ele resolve apoiar a causa do povo contra os desmandos do coronel.

12 de março – domingo

14h – Atividade cultural (no foyer): Contos de Ori, com Tatiana Henrique. A contação entremeia materiais simples como terra, argila, água, feijão, às narrativas iorubano-brasileiras, repletas de deidades que amam, trabalham, dançam e riem, como nós, seres humanos: os Òrìṣà! Grátis.

15h – Homenagem a Geraldo Sarno: Sessão de Curtas “O Caboclo e o Brasil Profundo”. Exibição de filmes dirigidos pelo cineasta: Vitalino (1967/69, 9min); Padre Cícero (1972, 10min); Jornal do Sertão (1967, 13min); e É Dois de Julho, de André Luiz Oliveira (1979, 12 min). Livre.

16h – Atividade cultural (no foyer): Vivência: Prática do Frevo, com Sémada Rodrigues. Atividade lúdica e dançante que possibilita vivenciar movimentações do frevo a partir de estímulos corporais levando em consideração a força, explosão, queda, recuperação, ginga, equilíbrio, desequilíbrio e a relação peso/espaço. Grátis.

17h30 – Homenagem a Geraldo Sarno: Sertânia. Brasil, 2020. 97 min. Ficção.12 anos.

Último filme dirigido por Sarno. Antão é ferido, preso e morto quando o bando de Jesuíno invade a cidade de Sertânia. A mente febril e delirante de Antão rememora todos os acontecimentos.

15 de março – quarta-feira

17h – Sessão “O Cangaceiro, Ficção e Realidade”. Exibição dos filmes: Porta de Fogo, de Edgard Navarro (1982, 21 min); e José de Julião – Muito Além do Cangaço, Hermano Penna (2016, 72min). 18 anos.

19h – Mistura e Invenção, de Iza Grispum. Brasil, 2002. Documentário. 74 min. Livre.

Uma imersão na caleidoscópica cultura brasileira, ao mesmo tempo una e diversa; exuberante e sofrida; uma experiência singular no panorama mundial. Com imagens captadas pelo Brasil, rico material de arquivo e depoimentos de intérpretes privilegiados da literatura e da música do país, o filme tece a trama de uma mensagem brasileira para o futuro.

16 de março – quinta-feira

17h – Dominguinhos, de Mariana Aydar, Eduardo Nazarian e Joaquim Castro. Brasil, 2014. Documentário. 84 min. Livre.

A vida e a obra de Dominguinhos (1941-2013), um dos maiores mestres da música brasileira, intercalando imagens de arquivo e passagens de shows, com encontros musicais exclusivos. O filme tem a participação de artistas renomados, parceiros da vida de Dominguinhos, como Gilberto Gil, Gal Costa, Hermeto Pascoal, Nara Leão, Djavan, Luiz Gonzaga, Yamandu Costa e Hamilton de Holanda, entre outros. Um retrato do sanfoneiro, cantor e compositor e uma homenagem ao autor de sucessos como “Eu Só Quero um Xodó”, “Gostoso Demais”, “De Volta Pro Aconchego” e “Lamento Sertanejo”.

19h – Sessão Gratuita e Acessível “No País da Poesia”.

Exibição dos episódios da série: O Folheto e o Repente e Jornal do Sertão, de José Araripe (2022, 30min). Livre.

17 de março – sexta-feira

17h – Agostinho da Silva – Um Pensamento Vivo, de João Rodrigo Mattos. Brasil, 2006. Documentário. 95 min. Livre.

O filme percorre a vida e a obra do grande pensador e humanista luso-brasileiro Agostinho da Silva. Marcado pelo gosto do paradoxo, pela independência e inconformismo das ideias e por invulgares dons de comunicação oral e escrita, a figura ímpar de Agostinho da Silva desenha-se num singular misto de sábio, visionário e homem comum, no qual o pensamento e a vida se confundem.

19h – Mito e Música- a Mensagem de Fernando Pessoa, de Rama de Oliveira e André Luiz Oliveira. Brasil, 2018. Documentário. 92 min. Livre.

O grande poeta português Fernando Pessoa passou 22 anos da sua vida (de 1912 a 1934) escrevendo, entre outros textos, os 44 poemas da “Mensagem”, único livro que publicou em vida. André Luiz Oliveira levou 30 anos (de 1985 a 2015) para concluir a gravação das 44 músicas de cada poema do livro.

18 de março – sábado

15h – Sessão Gratuita e Acessível “No País da Poesia”. Exibição dos episódios da série: O Folheto e o Repente e Jornal do Sertão, de José Araripe (2022, 30min). Livre.

16h30 – Atividade cultural (no foyer): Vivência: Prática do Frevo, com Sémada Rodrigues. Atividade lúdica e dançante que possibilita vivenciar movimentações do frevo a partir de estímulos corporais levando em consideração a força, explosão, queda, recuperação, ginga, equilíbrio, desequilíbrio e a relação peso/espaço. Grátis.

18h – Dominguinhos, de Mariana Aydar, Eduardo Nazarian e Joaquim Castro. Brasil, 2014. Documentário. 84 min. Livre.

19 de março – domingo

14h – Atividade cultural (no foyer): Terra e Tigre Yoga, com Ju Terra e Antonio Tigre. Prática de yoga com mantras, meditação e posturas medicinais. Para experimentar uma conexão com o coração e se abrir para receber a energia criativa do cinema transcendendo para outras realidades. Grátis.

15h – Mito e Música- a Mensagem de Fernando Pessoa, de Rama de Oliveira e André Luiz Oliveira. Brasil, 2018. Documentário. 92 min. Livre.

17h – Atividade cultural (no foyer): Oi, é a Cobra Coral, com Tatiana Henrique. Uma fábula criada a partir das memórias de rezadeiras, os caminhos das águas, as serpentes e seus poderes mágicos. Grátis.

18h – Mistura e Invenção, de Iza Grispum. Brasil, 2002. Documentário. 74 min. Livre.

 

Serviço:

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

Até 19 de março de 2023, quarta a segunda (fecha terça)
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro

Tel (21) 3808-2020
Sala de Cinema 1 (102 lugares, sendo 4 para cadeirantes)
Ingressos: R$ 10 | R$ 5 (meia) – disponibilizados às 9h do dia da sessão na bilheteria física ou em https://ingressos.ccbb.com.br/cinema-ix-festival-cinema-e-transcendencia__690

 

 

Facebook
Twitter
Email
Print
Últimos Artigos
pt_BRPortuguese